(19) 9 8187 9851
contato@gazetaitapirense.com.br 
(19) 9 8187 9851
contato@gazetaitapirense.com.br 
  • 24/06/2020

‘Rabada’ pega 41 anos de tranca após denúncia do MP

Uma denúncia apresentada pelo promotor de Justiça Rodrigo Lopes, do Ministério Público local, resultou na condenação de Celso Aparecido Taliatelli, vulgo “Rabada”, a 41 anos de prisão em regime inicial fechado, mais pagamento de multa. É o fim de um longo trabalho encabeçado pelo jovem promotor de Justiça contra um dos mais famosos traficantes de drogas da cidade. A sentença da juíza Hélia Regina Pichotano foi proferida ontem.

O Judiciário acatou a tese da Promotoria de que Rabada era responsável pelas substâncias ilícitas comercializadas em um porão construído na rua do Cubatão, ponto este conhecido como a ‘Biqueira do Rabada’.

De acordo com a denúncia, Rabada fez uma obra para fechar “a parede que dá acesso a um porão, criando uma entrada separada pela via pública, onde ali instalou, no próprio imóvel em que reside sua filha, uma das mais movimentadas ‘biqueiras’ desta cidade, para a venda de entorpecentes, em especial, de cocaína na forma de crack, ‘especialidade’ do denunciado”.

Ainda segundo a Promotoria, Rabada utilizava-se muitas vezes de adolescentes e até mesmo de usuários para efetuar as vendas de drogas. Quando algum indivíduo era detido, “imediatamente outro era colocado no local pelo denunciado, para continuar a venda de entorpecentes para si”.

Dr. Rodrigo Lopes entrou no caso a partir de 2016 quando, em posse de um mandado de busca e apreensão na residência, foi para a biqueira com o apoio de guardas municipais. Na ocasião foram apreendidas algumas porções de crack no porão da casa. A partir daí o MP fez um levantamento de diversas ocorrências de tráfico de drogas naquele imóvel, onde ocorreram prisões em flagrante por parte da PM e da GCM.

Foram levantadas as ocorrências e através das provas documentais e depoimentos de profissionais da força de segurança, usuários e traficantes ali surpreendidos, foi possível apontar que o tráfico ali ocorria a mando do proprietário do imóvel, no caso Rabada.

Sempre era usado o mesmo “modus operandi”. Então foi possível denunciar o acusado por 6 (seis) crimes de tráfico de drogas, dois deles envolvendo adolescentes, fatos pelos quais foi condenado agora a 41 anos, 1 mês e 26 dias de prisão em regime fechado.

Rabada está preso preventivamente por dois processos, esse no qual houve a condenação acima, e por outro da Primeira Vara, onde foi denunciado por tráfico de drogas e associação para o tráfico, sendo condenado inicialmente apenas por tráfico de drogas a uma pena de 6 anos e 08 meses de reclusão.

O Ministério Público recorreu, postulando o aumento da pena e a condenação pelo crime de associação para o tráfico. O TJSP deu parcial provimento ao recurso da acusação agora final de abril, condenando-o também por crime de associação e elevando a pena dele para um total de 12 anos 5 meses e 10 dias. A prisão ainda é preventiva porque não houve o trânsito em julgado.

Rabada tem um total de 53 anos e sete meses de cana pra cumprir.

 

Últimas Notícias

Guia Comercial

error: