(19) 9 8187 9851
contato@gazetaitapirense.com.br 
(19) 9 8187 9851
contato@gazetaitapirense.com.br 
  • 30/03/2020

Família que alimenta moradores de rua prevê dias difíceis

O comerciante Maycon Antônio Barbosa, de 28 anos, a irmã Monique, a esposa Beatriz e o cunhado Patrick, desenvolvem junto a moradores de rua aqui da cidade um trabalho que exige além de muito empenho, dedicação e paciência, calor humano – produto em falta nos dias atuais.

O grupo que ganhou a denominação de “Anjos da Madrugada” dos próprios moradores de rua, há cerca de um ano percorre vários pontos da cidade no período da madrugada oferecendo uma marmita para este tipo de clientela.

A iniciativa que nasceu de uma decisão pessoal de Monique, acabou ganhando apoio dos demais a partir do momento em que ela própria se viu em dificuldades financeiras. “Por gravidade” vieram manifestações de apoio da comunidade com donativos diversos. “Infelizmente não temos ainda um apoio efetivo por exemplo de instituições religiosas ou do Poder Público Municipal. Tudo o que recebemos vem do cidadão comum”, comenta Maycon.

O grupo distribui em média diariamente 50 refeições. Neste tempo de aprendizado foi criada uma “clientela” composta por pessoas que costumam dormir em locais já conhecidos o que facilita o trabalho da entrega. “Eventualmente aparece alguém que não conhecíamos e cuidamos de atender também”, diz Maycon.

Ele comenta que no começo até torcia o nariz para o trabalho. “Eu era contaminado por aquele pensamento de que estas pessoas vivem nesta situação porque são acomodadas. Mas a convivência acaba mostrando que esta visão é equivocada. São pessoas que além do arroz, do feijão e da carne, necessitam de calor humano”, teorizou.

Iniciativa entrega até 50 refeições por dia para pessoas necessitadas

Indagado se na sua opinião a recessão econômica que se avizinha vai fazer crescer o número de pessoas que precisarão da generosidade de  iniciativas iguais a esta que ajuda a encampar para não passar fome,  Maycon responde que sim. “Se não houver uma mudança de rota, os problemas sociais irão se agravar”. Defende ainda que o Poder Público municipal inicie um debate, realize preparativos para criar uma estrutura de atendimento se o pior acontecer, convocando todos os movimentos que atuam em favor dos mais desassistidos aqui em Itapira, para ajudar na execução de um programa de emergência.

Últimas Notícias

Guia Comercial